Nascidos para perder - História do jornal da família que tentou tomar o poder pelo poder das palavras – e das armas, Editora Insular

R$39,00

Nascidos para perder - História do jornal da família que tentou tomar o poder pelo poder das palavras – e das armas
[15 X 21 cm]

Nascidos para perder  - História do jornal da família que tentou tomar o poder pelo poder das palavras – e das armas
Autor: Mylton Severiano

ISBN: 978-85-7474-589-3

Páginas: 280

Peso: 400 g

Ano: 2012

Este livro, mais que a história do Estadão, expõe sua vocação para a conspiração, e a derrota. Como você vai comprovar, o Estadão não é mais o tal. Tanto que os colegas da nova geração, quando querem desnudar a empáfia dos jornalões, não se lembram dele. A última brincadeira foi com a Falha de S. Paulo.
Palmério Dória

O livro conta a história d’O Estado de S. Paulo, fundado em 1875 para defender interesses de fazendeiros, capitalistas e republicanos paulistas. Graças aos encantos da atriz Luísa Satanella, um sócio deu um desfalque e com ela se foi para a Itália em 1902, pondo o jornal todo no colo da família Mesquita, de Júlio I. Sob a fachada de liberal, gente do Estadão no entanto chegou a conspirar e até a aderir à luta armada, como em 1932, quando sentiu suas aspirações ao poder ameaçadas. Perdeu todas as eleições na República Velha, perdeu em 1930, 1932, mesmo em 1964 – sob censura após o golpe vitorioso que apoiaram, e cedem lugar aos Frias em 1984 ao negar apoio às Diretas Já. Perdem em 2002 e 2006 para Lula, em 2010 para Dilma.

Estando para nós como The New York Times para os americanos, chega ao auge no governo Geisel, em plena ditadura, contra a qual assestam golpe que nenhum outro jornal ousaria, a série conhecida como “escândalo das mordomias”. Ao mesmo tempo, montam a maior rede de sucursais, com correspondentes até no exterior. Com a quarta geração, sobrevindo uma série de erros, o jornal cai nas mãos de banqueiros, “engenheiros”, perde a importância de outrora. A saga, apurada com ajuda de alguns dos maiores repórteres brasileiros, inclusive da antiga equipe do Estadão, e escrita por Mylton Severiano, expõe a História do Brasil no último século e meio tendo como pano de fundo a história de uma família que teve um grande jornal.

Todo empreendimento humano segue a lógica do ciclo vital: nasceu, já começa a morrer. Não estamos a contar novidade. Morrem fábricas, bancos, casas comerciais, escolas, nações, impérios – e jornais. Aos 74 anos, morreu em 1975 o Correio da Manhã; o Correio Paulistano aos 109 anos, em 1963; e mais recente finou-se a versão em papel do Jornal do Brasil, aos 119 anos.
Tal como acontece com os seres, alguns jornais vivem mais, outros menos, de acordo com o que determina seu DNA, sua fonte de alimentação, seu comportamento.
Diz o povo que se morre ou de morte morrida ou de morte matada. O que impressiona na trajetória do Estadão é a persistência da família Mesquita em erros administrativos, escolhas políticas desastrosas, bem como a assiduidade com que perdem praticamente todos os “bondes da história”.
Dos bondes perdidos, o mais clamoroso foi talvez deixar a Folha empunhar sozinha a bandeira das “Diretas Já” em 1984. Dos erros administrativos, campeão foi mudar do centro da capital paulista para a várzea do Tietê, o que fez o jornal pela primeira vez não chegar às bancas por causa das enchentes de janeiro de 2010.
Apostam em Getúlio, perdem; apostam contra Getúlio, perdem. Jogam todas as fichas no movimento constitucionalista de 1932, e perdem feio; apostam no golpe de 1964, e perdem.
Para resumir, quando este livro é concluído, acabam de apostar contra Dilma Rousseff, eleita primeira mulher presidente do Brasil.
Os Mesquitas parecem o avesso de Deus: de hora em hora, a família piora. Chegando ao sesquicentenário, o jornalão tropeça nas pernas. Nascidos para Perder conta como o Estado chegou a esse estado.

O Autor:
Mylton Severiano, paulista de Marília, onde concluiu o ensino médio e um curso de música de seis anos, passou por inúmeras redações de jornais, revistas e telejornais, antes de se tornar free-lancer e dedicar-se a criar peças para campanhas eleitorais e a escrever livros. Publicou, entre outros, Se Liga! – O livro das drogas (Record) e a biografia Paixão de João Antônio (Casa Amarela). Ao concluir este livro em 2011 estava gravando um cd com músicas suas e em parceria com Katia Reinisch e Palmério Dória.

Conheça também o livro
Realidade - história da revista que virou lenda
Autor: Mylton Severiano


Comentários

Categorias
Administração (29)
Administração Universitária (9)
Agronomia (6)
América Latina (39)
Anarquismo (8)
Antropologia (13)
Automotivação (23)
Avaliação Universitária (16)
Biblioteconomia / Ciência da Informação (5)
Biografia (65)
Biologia (5)
Ciências Sociais (66)
Cinema (2)
Coleção Jornalismo Audiovisual (4)
Coleção Jornalismo e Acontecimento (3)
Coleção Jung sai pra rua (2)
Coleção Linguística (5)
Coleção Pátria Grande (6)
Coleção Pedrinho (3)
Coleção Pensadores da Pátria Grande (3)
Comunicação / Jornalismo (145)
Contestado (10)
Contos (26)
Crônica (26)
Cultura (6)
Desenvolvimento Regional (4)
Direito (50)
Ecologia / Meio Ambiente (32)
Economia (27)
Educação (91)
Enfermagem (3)
Engenharia / Arquitetura (13)
Espiritualismo (12)
Esporte (10)
Estudos Culturais (9)
Estudos em Jornalismo e Mídia (9)
Ficção Cientifíca (4)
Filosofia (9)
Florianópolis / Santa Catarina (59)
Futebol (8)
Geografia (22)
Gerenciamento (3)
História (139)
Humor (3)
Infantojuvenil (10)
Jornalismo (1)
Linguística (28)
Literatura (100)
Matemática (3)
Neurolinguística (1)
Nutrição (6)
Permacultura (1)
Poesia (58)
Política (48)
Psicologia (11)
Radiotividade (2)
Relações Internacionais (13)
Religiosidades (15)
Romance (35)
Saúde (23)
Segunda Guerra Mundial (6)
Segurança Pública (9)
Série Comunicação Audiovisual (2)
Série Estudos Culturais (5)
Série Estudos de Língua de Sinais (3)
Série Jornalismo a Rigor (10)
Série Jornalismo e Sociedade (3)
Série Tecnologia Social (3)
Serviço Social (4)
Sociologia-> (38)
Teoria da Decisão (1)
Transporte (3)
VESTIBULAR-> (7)
Pesquisa rápida
 
Utilize palavras chave para pesquisar livros.
Pesquisa avançada
Compartilhar o livro